NOTÍCIAS

Postado em 14 de Dezembro de 2017 às 15h08

Acordo de cooperação técnica entre Icasa e Secretaria de Agricultura assegura defesa sanitária animal em SC

  • Mercoagro – Edição 2018 -

O Instituto Catarinense de Sanidade Agropecuária (ICASA) e a Secretaria de Estado da
Agricultura e da Pesca firmaram, neste ano, um acordo de cooperação técnica para regular
atividades que o ICASA desempenha junto à Secretaria no apoio às atividades administrativas relacionadas à sanidade agropecuária e ao cumprimento do regulamento do Serviço de Inspeção Industrial e Sanitária de Produtos de Origem Animal nos termos do Decreto 9.013/2017.
Na última semana, ocorreu uma reunião, em Chapecó, com objetivo de treinar o corpo
técnico do ICASA para a atuação nos termos previstos no credenciamento e de acordo com o plano de trabalho aprovado nesse processo, por meio das exposições feitas pelos representantes da Companhia Integrada de Desenvolvimento Agrícola de Santa Catarina (CIDASC), do coordenador dos médicos veterinários do ICASA e do conselheiro executivo Ricardo de Gouvêa.
O secretário de Agricultura Moacir Sopelsa participou do encontro com intuito de fortalecer as relações das entidades atuantes no sistema de atenção à sanidade agropecuária, destacando a história e importância do ICASA para o alcance e manutenção do status zoossanitário de Santa Catarina e a importância para o segmento produtivo catarinense no fortalecimento dessa parceria entre os serviços oficiais e a sociedade civil organizada por meio do ICASA.
Os médicos veterinários atuam nas propriedades e orientam os produtores sobre boas
práticas. A atuação de apoio ao produtor rural, em parceria com a CIDASC, como forma de
atuação no SUASA em Santa Catarina, se dá e é disciplinado por meio do credenciamento (Edital 01/2016) lançado pela Portaria SAR n. 56/2016 e aprovado pela Portaria SAR n. 70/2016.
De acordo com Gouvêa, o acordo de cooperação técnica fortalece a parceria existente
entre o Governo do Estado e o ICASA. “A intenção é manter e ampliar as atividades relativas à saúde animal para valorizar a produção, promover a saúde pública e zelar pelo meio ambiente”.
Sopelsa ressaltou a qualidade sanitária dos produtos de origem animal do Estado e disse
que a partir de fevereiro serão contratados mais 50 veterinários e 190 barreiristas para a CIDASC.
“A manutenção e a melhoria da qualidade sanitária do Estado são importantes para a economia catarinense e para buscar a ampliação dos mercados de carnes, leite, ovos e seus derivados”.
O ICASA apoiará a Secretaria por meio do seu quadro de recursos humanos, cooperando
na execução de ações complementares de vigilância e defesa sanitária animal para manutenção e melhoria do status zoossanitário do Estado. Também colaborará na execução de atividades administrativas complementares necessárias para o atendimento às demandas. Outros compromissos do ICASA são fornecer apoio e estrutura logística, disponibilizar consultoria técnica especializada, produtos de pesquisa científica e desenvolvimento tecnológico para defesa sanitária ou ambiental.
Em contrapartida, a Secretaria de Agricultura deve fornecer as informações e diretrizes
eventualmente solicitadas pelo ICASA e exercer a supervisão geral dos trabalhos e atividades. O acordo foi publicado no Diário Oficial em outubro e vigorará até 1º de junho de 2018.
Sopelsa e Gouvêa declararam que o convênio é de alto interesse para a agropecuária
catarinense porque o ICASA – com um qualificado corpo técnico de 600 colaboradores – tem como finalidade principal o apoio, a pesquisa, o desenvolvimento e o acompanhamento de atividades no setor agroindustrial, inclusive na defesa sanitária e ambiental junto a órgãos e entidades públicas e privadas.
A atuação do instituto é de reconhecida importância para a manutenção e melhoria do
status zoossanitário catarinense – única área livre de aftosa sem vacinação no Brasil. Essa
cooperação é essencial na manutenção do status zoossanitário do Estado com o fim de garantir a qualidade dos produtos de origem animal e assegurar a saúde pública, colaborando, também, para a proteção da economia catarinense, buscando ampliar a competitividade dos mercados internos e externos.
ICASA
O Instituto Catarinense de Sanidade Agropecuária (ICASA) foi criado em 2006 e é mantido
pelas agroindústrias catarinenses que, através dele, supriram as deficiências do Estado em
vigilância sanitária e abriram novas fronteiras comerciais. O Instituto mantém uma força-tarefa de controle para evitar a entrada de doenças em território barriga-verde, formada por veterinários, auxiliares, pessoal administrativo, veículos e equipamentos. Atualmente, tem 600 colaboradores, dos quais 84 são médicos veterinários. A contribuição do ICASA foi definitiva para a obtenção do atual status sanitário pela Organização Mundial da Saúde Animal (OIE) porque o instituto supriu necessidades que o Estado de Santa Catarina tinha nesta área.

Veja também

Vendas à China se aproximam de 40% das exportações de carne bovina16/11/17 Segundo a Associação Brasileira de Frigoríficos (Abrafrigo), o apetite chinês pela carne bovina brasileira não dá sinais de arrefecimento. "E ele vem compensando amplamente as quedas de vendas para os países da União Europeia, devido à Operação Carne Fraca, e a não confirmação da abertura do mercado......
RM exibirá máquinas para frigoríficos de aves, peixes e suínos06/05/16 No mercado desde 1987, a RM Indústria de Máquinas Frigoríficas iniciou as atividades em Chapecó (SC), trabalhando no processo de terceirização de serviços indiretos para agroindústrias. Depois de cinco......
Com embaixadores da UE Maggi trata de acordos bilaterais22/02 O ministro Blairo Maggi esteve reunido, na terça-feira (20), no Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa) com 25 embaixadores da União Europeia para discutir a relação direta entre o Brasil e......

Voltar para Notícias (pt)