NOTÍCIAS

Postado em 19 de Outubro de 2017 às 10h01

Agricultura e carga tributária

Mercoagro – Edição 2018 José Zeferino Pedrozo Presidente da Federação da Agricultura e Pecuária do Estado de SC (Faesc) e do Serviço Nacional de Aprendizagem Rural (Senar/SC) Em vários e...


José Zeferino Pedrozo
Presidente da Federação da Agricultura e Pecuária do Estado de SC (Faesc)
e do Serviço Nacional de Aprendizagem Rural (Senar/SC)


Em vários e qualificados fóruns de debate discute-se as reformas necessárias para a modernização da economia brasileira. Um dos consensos mais recorrentes é a necessidade de um sistema tributário justo e moderno que permita à agricultura e ao agronegócio aumentar seu potencial competitivo.
Infelizmente, a verdade é uma só: a carga tributária brasileira é uma das maiores do mundo e consome um terço das riquezas nacionais. O Brasil é ineficiente, cobra impostos elevados e presta serviços precários.
Esse quadro tornou-se crônico e gerou dois consensos na sociedade brasileira. O primeiro, é que o Sistema Tributário Nacional está longe de ser ideal, porque é complexo, moroso, burocrático, gigantesco e ineficiente. São milhares de normas tributárias federais e milhares de normas dos 26 Estados, do Distrito Federal e dos mais de 5.500 municípios. Levantamento recente mostra a existência de quase 90 tributos, incluindo impostos, taxas, contribuições de melhoria, contribuições sociais, de intervenção no domínio econômico, para categorias econômicas ou profissionais e empréstimos compulsórios. O segundo consenso é que dificilmente haverá uma reforma tributária porque falta consciência da gravidade dessa questão na sociedade e porque não há vontade política para tal transformação.
Desde a promulgação da Constituição Federal de 1988, a carga tributária aumentou brutalmente. O que a sociedade espera do governo não é o aumento de impostos, mas a contenção de gastos públicos, a racionalidade tributária e mais investimentos produtivos. Os cidadãos em geral e os empresários rurais, em particular, já estão penalizados com uma elevada e insuportável carga tributária, que inviabiliza e inibe os negócios. Os brasileiros não aceitam mais a escalada dos impostos – ela asfixia o desenvolvimento social e econômico do país.
Os malefícios da esmagadora carga de encargos tributários para o setor privado e, em especial, para a agricultura e o agronegócio são conhecidos porque impactam diretamente nos preços dos alimentos. Logo, afeta a qualidade de vida das pessoas. É preciso reduzir e desburocratizar a tributação do setor agropecuário em razão de sua enorme capacidade de contribuir com o desenvolvimento e melhorar os indicadores econômicos e sociais.
Recente levantamento da Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil revela números cabais e definitivos: cada R$ 1 milhão investido no agronegócio gera R$ 3,3 milhões em produção, 49 novos postos de trabalho e R$ 367 mil em salários. Nenhum outro setor tem essa condição de multiplicar esforços e recursos.


Foto: MB Comunicação

Veja também

A realidade virtual começa a decolar no galinheiro15/08 Há sinais de que a realidade virtual está começando a fazer uma diferença real tanto para os consumidores quanto para os funcionários da avicultura. O National Chicken Council (NCC) anunciou no mês passado que havia desenvolvido uma série de vídeos de realidade virtual de 360 ??graus mostrando as várias etapas da vida de uma galinha durante a......

Voltar para Notícias (pt)