NOTÍCIAS

Postado em 03 de Julho às 11h25

Agroindústrias catarinenses pedem ao governo federal subsídio para frete do milho

  • Mercoagro – Edição 2018 -

Agronegócio catarinense quer apoio do Governo Federal para importação de milho. Santa
Catarina está entre os maiores produtores nacionais de suínos, aves e leite e o grão é
fundamental para manter a competitividade das agroindústrias instaladas no Estado. Entre as demandas mais urgentes estão a falta de um subsídio do Governo Federal ao frete do milho e as melhorias necessárias na aduana de Dionísio Cerqueira. O governador Eduardo Pinho Moreira e representantes do setor produtivo levarão as pautas até o Governo Federal e cobrarão mais agilidade na solução do problema.
“Essa é uma luta que eu vou levar a Brasília. Hoje, 70% dos custos de produção de suínos
e aves em Santa Catarina são formados a partir do preço do milho e do farelo de soja. O
abastecimento de grãos é fundamental para manter a competitividade do produto catarinense”, ressalta o governador.
Com uma produção que gira em torno de três milhões de toneladas de milho por ano e um
consumo de sete milhões de toneladas para alimentação de suínos e aves, Santa Catarina é o maior importador nacional do grão. E boa parte desse milho vem de caminhão do Centro-Oeste, com distâncias que chegam a dois mil quilômetros. “Os investimentos do Governo Federal foram feitos para exportar grãos e não para abastecer as agroindústrias. A produção de grãos está no Centro-Oeste e a produção de carnes está no Sul, aqui está a necessidade de subvenção ao frete”, afirma o presidente da Associação Catarinense de Avicultura (ACAV), José Antonio Ribas Júnior.


ROTA DO MILHO
Santa Catarina está prestes a inaugurar a Rota do Milho, que viabiliza o transporte de grãos
do Paraguai até Dionísio Cerqueira – em um trajeto mais curto e mais barato para suprir a
demanda do Estado. Porém, segundo o setor produtivo, para que a Rota se torne uma opção viável são necessárias melhorias na estrutura da aduana de Dionísio Cerqueira, principalmente a disponibilidade de mais funcionários da Receita Federal e do Ministério da Agricultura para o trabalho aduaneiro e fitossanitário.
Com a implantação da Rota do Milho, os caminhões carregados sairão do Paraguai,
passando pela Argentina, até chegar a Santa Catarina pela aduana de Dionísio Cerqueira. As estimativas são de que o movimento de caminhões na aduana chegue a 150 caminhões por dia.
Segundo o secretário da Agricultura e da Pesca, Airton Spies, a subvenção ao frete e a
Rota do Milho serão dois passos importantes para aumentar a competitividade do agronegócio catarinense. “O transporte rodoviário encarece a produção catarinense e a alternativa é buscar milho de fontes mais próximas, como no caso do Paraguai. Nós estamos abrindo a Rota do Milho e vamos depender muito da agilidade da aduana de Dionísio Cerqueira”, destaca.

Fonte: Secretaria de Estado da Agricultura e da Pesca

Veja também

Mapa vai criar normas para certificação de propriedades livres de Scrapie14/08 O Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa) publicou nesta quinta-feira (09), no Diário Oficial da União, a portaria 79, que abre consulta pública por 30 dias à elaboração das normas para Certificação de Estabelecimento de Criação Livre de Scrapie (doença de origem nervosa, que afeta ovinos e caprinos). A......
Chilenos visitam estabelecimentos de aves e de bovinos no Brasil30/08 Na próxima sexta-feira (31), será realizada reunião final entre autoridades sanitárias do Chile e integrantes do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa) para avaliação de auditorias......

Voltar para Notícias (pt)