NOTÍCIAS

Postado em 03 de Julho às 11h31

Brasil e Vietnã firmam parceria na área do agronegócio

  • Mercoagro – Edição 2018 -

Os ministros da Agricultura, Pecuária e Abastecimento, Blairo Maggi, e o da Agricultura e
Desenvolvimento Rural do Vietnã, Ha Kong Tuan, assinaram nesta segunda-feira (1º) memorando de entendimento com o objetivo de incentivar maior cooperação entre os dois países nas áreas relacionadas à agricultura.
Melhorar e facilitar a cooperação técnica entre cientistas e instituições de pesquisa e desenvolvimento agrícola é uma das atividades previstas no acordo, compreendendo intercâmbio de delegações de especialistas, cientistas e estagiários. Está previsto também a troca de sementes e raças animais, de informações técnicas e documentos, além de organização conjunta de seminários técnicos, workshops, conferências, exposições setoriais, formulação e implementação de projetos de pesquisa.
O documento foi assinado no Ministério de Relações exteriores, nesta segunda-feira, com a presença do ministro Blairo Maggi durante reunião com a comitiva vietnamita liderada pelo vice primeiro ministro, Vuong Dinh Hue, integrada por sete vice-ministros, além do vice presidente do banco estatal, Nguyen Thi Hong, e da Câmara de Comércio e Indústria do país, Doan Duy Khuong. No início da tarde, Maggi recebeu a missão técnica em seu gabinete no Mapa.

“O comércio tem que ser ampliado entre as partes e anda quando a parte política decide
que deve andar. Daqui para frente os técnicos do Ministério da Agricultura juntamente com os técnicos deles buscarão harmonizar mais a legislação dos nossos certificados fitossanitários e fazer com os negócios aconteçam pelas mãos dos empresários, como deve ser feito”, disse o ministro após o encontro.
Maggi lembrou que o Brasil importou no ano passado um pouco de café no sistema drawback do Vietnã. “Esse mercado está aberto, é uma consequência do mercado mundial. O Brasil não precisa importar a cada instante. Mas, em determinados momentos, fazer um blend nas empresas importadoras ajuda a indústria a ser competitiva lá fora. Os países não devem ser hermeticamente fechados porque senão ele fica do tamanho do seu mercado interno”.
O Vietnã, observou Maggi, tem cem milhões de habitantes e território equivalente a 30% do Mato Grosso. “Quer dizer, então que se trata de um mercado bem interessante e que pode resultar em ganhos para ambos os lados”.
Um grupo de trabalho conjunto composto por representantes do Brasil e do Vietnã será responsável por discutir e desenvolver programas sobre os assuntos de que trata o memorando.
Desde 1986, quando o Vietnã iniciou a abertura da economia, o país vem crescendo a taxas de mais de 7% ao ano. O país deixou de ser um dos países mais pobres do mundo, importador de arroz, e se transformou em modelo de crescimento e um dos maiores produtores e exportadores de arroz, maior produtor de café robusta, e grande exportador de borracha, castanhas, pimenta e pescados. Está em franco processo de industrialização, urbanização e modernização.
Além de membro da Associação das Nações do Sudeste Asiático (ASEAN), encontra-se entre os países emergentes mais atraentes para a realização de negócios e de investimentos.
Tendo em vista a importância do Sudeste Asiático como polo produtivo e financeiro da economia global, o Brasil tem interesse na região, onde há oportunidades em função de reciprocidades entre as economias.
O MAPA em parceria com o Ministério das Relações Exteriores organizou a participação
brasileira na 40ª edição da feira Food and Hotel Asia 2018, o maior e principal evento do
continente asiático destinado a promoção e comercialização de alimentos e bebidas. A feira
ocorreu em Singapura entre os dias 24 a 27 de abril, no Singapore Expo e contou com a
participação de 3.526 expositores de 72 países e visitantes de 100 países. O Pavilhão Brasil
ocupou 90m² e abrigou 17 empresas expositoras de diversos segmentos do agronegócio.
 
Fonte: MAPA

Veja também

Cenário para o Brasil no comércio exterior é de otimismo em 201811/12/17 Depois de dois anos negativos, a economia brasileira exibe sinais de recuperação. O reflexo, podemos ver nas exportações: “No ano passado, o Brasil fechou exportações de US$ 185 bilhões e, este ano, em novembro já havíamos chegado aos US$ 200 bilhões, de modo que as expectativas são positivas”, comenta o presidente da......
CNA pede medidas emergenciais de apoio à suinocultura brasileira11/04 Diante do aumento dos custos de produção e da queda de preços no mercado de suínos, a Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil (CNA) entregou ao Ministério da Fazenda ofício com um......

Voltar para Notícias (pt)