NOTÍCIAS

Postado em 06 de Abril de 2018 às 09h37

Brasil precisa aumentar produção de alimentos em 41%

  • Mercoagro – Edição 2018 -

O Brasil tem papel importantíssimo no fornecimento de alimentos para a demanda mundial
adicional que surgirá nos próximos dez anos. A afirmação foi feita pelo coordenador do Centro de Agronegócio da Fundação Getulio Vargas (FGV), Roberto Rodrigues, no painel de Segurança Alimentar e Logística, no Fórum Econômico Brasil-Países Árabes, que ocorre nesta segunda-feira (02/04) na capital paulista, promovido pela Câmara de Comércio Árabe Brasileira.
“Para suprir a demanda, o mundo terá de produzir 20% mais alimentos, e só o Brasil terá de
aumentar sua produção em 41% para atingir a meta global”, explicou Rodrigues para um público formado por empresários, executivos e representantes de entidades e do setor público do Brasil e países árabes. Pela manhã, o fórum recebeu mais de 600 pessoas, cerca de 100 delas vindas de países árabes.
O professor e pesquisador da Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (Embrapa),
Eduardo Assad, complementou o raciocínio de Rodrigues falando sobre a evolução do setor alimentar no Brasil ao longo das últimas décadas. “Até os anos 1970, os brasileiros comiam frango somente aos domingos, era raro, não era um prato do dia a dia”, disse. Segundo ele, na mesma década o governo começou a investir em programas de capacitação agropecuária, enviando cientistas brasileiros para diversas partes do mundo, e a partir disso começou a aumentar a produção, fazendo “um esforço tecnológico equivalente à construção de um Boeing”.
Assad informou que hoje o Brasil tem tecnologia para criar frango e plantar soja e milho de
alta qualidade, e abastecer o mundo com os seus  produtos. “Tragam estudantes árabes para cá”, disse aos árabes, enfatizando a importância de haver mais intercâmbios tecnológicos para manter a constante troca de conhecimento entre os países e obter “saltos qualitativos em ciência, tecnologia e comércio”.
Segundo Ricardo Santin, vice-presidente de mercado da Associação Brasileira de Proteína
Animal (ABPA), o Brasil exportou 2,1 milhões de toneladas de carne de frango para os países árabes no ano passado, o equivalente a US$ 3,1 bilhões. Atualmente, o Brasil é o maior produtor de frango halal do mundo.
O presidente do Conselho Empresarial Brasil-Tunísia, Hassine Bouzid, criticou a falta de
segurança alimentar mundial e listou diversas problemáticas, como a baixa produção e o aumento dos preços de commodities. “Novecentos milhões de pessoas no mundo são mal alimentadas; faltam políticas corretas para não haver desperdícios, e reforma agrária, para reverter este quadro”, disse.
O painel moderado pelo jornalista Fernando Lopes e por Hassine Bouzid também contou
com a participação de Abdelmoniem Mohamed Mahmoud, secretário-geral da União Árabe para o Desenvolvimento de Exportações Industriais (AUIED, em inglês); Ted Lago, presidente do Porto de Itaqui, no Maranhão; Anders Kron, gerente comercial do Porto e Zona Franca de Sohar, de Omã; e Alaa Ezz, secretário-geral da Federação de Câmaras egípcias.

Fonte: Agência ANBA / Avicultura Industrial

Veja também

Circovirose Suína: investimento na prevenção evita prejuízos e gastos com medicamentos28/05/18 Diagnosticada pela primeira vez no Brasil em 1999, a Circovirose Suína é uma enfermidade comum nos plantéis brasileiros. A atenção do suinocultor deve ser grande nos leitões após o desmame, a partir da sexta semana de vida. Uma vez infectados, os animais apresentam retardo no crescimento, baixo ganho de peso, aumento dos linfonodos, dificuldades......
Rússia deverá avaliar com celeridade reabertura ao mercado de carne19/01/18 O governo russo comprometeu-se a “avaliar com o máximo de celeridade, uma vez que o Brasil é um importante fornecedor” a reabertura do mercado à carne brasileira, declarou Sergey Dankvert, chefe do Serviço Federal de......

Voltar para Notícias (pt)