NOTÍCIAS

Postado em 08 de Agosto às 13h17

Brasil vai exportar embriões bovinos “in vitro” para a Índia

  • Mercoagro – Edição 2018 -

O Brasil vai exportar embriões bovinos “in vitro” para a Índia. Nesta terça-feira (07), o
Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa) recebeu comunicado oficial que viabiliza o início dos embarques para o país. O Departament of Animal Husbanfry, Dairying & Fisheries of Ministry of Agriculture and Farmers (DAHD/MAFW) indiano, aprovou o Certificado Zoossanitário Internacional (CZI) elaborado pelo Departamento de Saúde Animal do ministério (DSA/Mapa). Os embriões, a exemplo do sêmen, são armazenados em paletas ou ampolas, contendo em cada unidade embriões de uma única origem (fêmea), conservados normalmente em nitrogênio líquido. A exportação é feita por via aérea.
A autorização do Serviço Veterinário Indiano para a importação do material genético bovino do Brasil, demonstra o reconhecimento internacional das condições sanitárias dos rebanhos brasileiros além da credibilidade da certificação veterinária, considerou o diretor do Departamento de Saúde Animal, Guilherme Marques.
O diretor lembra que a Índia sempre foi fornecedor histórico de material genético zebuíno
ao Brasil. A negociação sanitária avançou durante a 84ª Expozebu, em Uberaba (MG). Na
exposição, foram realizadas rodadas de negociação com nove países interessados em importar material genético e animais de reprodução do Brasil. No final do evento foram firmados protocolos sanitários.
A Índia é o país onde surgiu o gado Zebu, mas o melhoramento genético realizado no gado zebuíno brasileiro trouxe resultados em ganhos de produtividade, o que o tornou atraente a produtores indianos.
PROTOCOLOS
Em relação à exportação de embriões bovinos “in vitro”, desde agosto de 2016, vêm sendo
assinados protocolos sanitários com diferentes países. Atualmente, produtores brasileiros podem vender esses embriões ao Paraguai, à Bolívia, ao Uruguai, à Argentina, a Colômbia e ao Equador.
A produção in vitro de embriões (PIVE) é uma ferramenta utilizada para aumentar a
produtividade, por possibilitar a multiplicação rápida e o aumento do número de descendentes oriundos de animais melhoradores de plantéis. Inicialmente, essa técnica era aplicada no Brasil apenas para fins de pesquisa, mas, na última década, passou a ser utilizada em larga escala para a multiplicação comercial, tornando o país o maior produtor mundial e de referência no uso de PIVE em bovinos.

Fonte: MAPA

Veja também

Publicação mostra a competitividade da cadeia produtiva de frango de corte na União Europeia frente a países concorrentes11/06 A Central de Inteligência de Aves e Suínos (CIAS) da Embrapa disponibilizou em seu site a mais recente publicação sobre a competitividade da cadeia produtiva de frango de corte na União Europeia frente a países concorrentes como Brasil, Argentina, Estados Unidos, Rússia, Ucrânia e Tailândia. O documento “Competitiveness of the EU poultry meat......

Voltar para Notícias (pt)