NOTÍCIAS

Postado em 10 de Novembro de 2017 às 17h35

BRF e Carrefour se unem à IBM para reforçar a rastreabilidade de alimentos

    A fabricante de alimentos BRF e a varejista Carrefour estão implementando, em parceria
    com a IBM, uma tecnologia usada pela moeda virtual Bitcoin para impedir fraudes na produção e
    comercialização de alimentos. As empresas adotaram o Blockchain, sistema que dá segurança às
    transações da criptomoeda, em projeto lançado no dia 8 de novembro.
    Com o uso da tecnologia Blockchain, fraudes como as detectadas pela operação Carne
    Fraca, deflagrada em março deste ano pela Polícia Federal, seriam impossíveis de serem
    realizadas. Na ocasião, a operação descobriu diversas irregularidades praticadas por frigoríficos,
    entre elas a adulteração dos prazos de validade de alimentos e o uso de insumos proibidos em
    embutidos.
    Já está disponível nas prateleiras do Carrefour o lombo congelado da Sadia que usa
    Blockchain para obter informações sobre o alimento. Na embalagem, um QR Code permite que o
    consumidor cheque a fábrica de origem daquele produto, datas de produção, embalamento e
    transporte, além da sua validade. Qualquer irregularidade na fabricação ou na distribuição poderá
    ser detectada pelo cliente.
    O projeto, em fase de testes, servirá para as companhias aperfeiçoarem os sistemas e
    confirmarem a viabilidade financeira da iniciativa. Só que, mais importante do que a informação
    que chega ao cliente, são os novos controles que podem ser feitos pelas empresas. A tecnologia
    de Blockchain, que é complexa, tem um objetivo simples: impedir fraudes.
    O Blockchain transforma informações em fragmentos digitais (os chamados blocos) que são
    distribuídos por diferentes servidores por meio da internet. Caso alguém consiga quebrar a
    criptografia de um desses servidores e altere a informação – uma data de validade, por exemplo -,
    os outros servidores que receberam as demais partes da informação acusam a adulteração.
    Assim, as empresas podem, por meio de controles automatizados, fazer diversas inspeções
    durante o processo de fabricação e registrar essas informações digitalmente. Quando o produto é
    finalizado, uma série de certificações garante a procedência e a qualidade.
    Na primeira etapa desse projeto, fará parte do controle o processo de fabricação, desde a
    chegada da matéria-prima às fábricas da BRF, até o momento em que o produto é colocado na
    prateleira do Carrefour. Um dos problemas que pode acontecer nesse processo, por exemplo, é o
    caminhão do transporte ter um problema de refrigeração e perder a temperatura de armazenagem.
    Por meio do uso da lógica de Internet das Coisas (IoT, na sigla em inglês), os sensores
    automaticamente alertam os responsáveis pelo controle, que são orientados a reter a carga. Caso
    os sensores sejam desligados, eles também são avisados. O Blockchain impede que os gestores
    ignorem o problema.
    “As tecnologias empregadas hoje não permitem que haja esse nível de transparência em
    todos os elos da cadeia. É uma transformação gradual que está acontecendo com nossos
    parceiros”, afirma Ney Santos, vice-presidente de tecnologia da BRF.
    A expectativa é que esse experimento cresça para um projeto-piloto, a ser implementado no
    próximo ano, explica Santos. Nesta segunda fase, mais elos da cadeia produtiva serão
    incorporados, principalmente aqueles relacionados à criação e ao abate dos animais. “O objetivo é
    ter, em três anos, toda a cadeia de produção da BRF integrada”, diz Santos.
    O desafio dessas empresas, agora, é convencer seus fornecedores a adotar a tecnologia.
    No caso da BRF e do Carrefour, talvez o custo dessa transformação não impacte de maneira
    expressiva suas operações. Porém, para fornecedores menores pode pesar demais o uso de
    Blockchain. “Estamos confirmando que a tecnologia é madura e confiável. Estamos aprendendo
    como as empresas podem alterar seus processos para viabilizar uma nova forma de trabalhar.

    InformaçãoJornalística

    MB Comunicação Rua Nilópolis, 251, bairro Universitário, CEP 89814-510 Chapecó (SC)
    Jornalista Responsável: Bel. Marcos A. Bedin, Registro Profissional M.Tb.:SC-00085- JP, SJPSC:0172,CRA:2234
    telefone (49) 3323-4244, E-mail: mb@mbcomunicacao.com.br

    Mas isso requer o compromisso em nível executivo das empresas”, afirma Regina Nori, Líder de
    soluções técnicas da IBM Brasil.

    Fonte: Suinocultura Industrial / Isto É Dinheiro

    Veja também

    México amplia importação de frango e visita novos frigoríficos30/08 O Brasil deverá ampliar a  exportação de carne de frango  e seus subprodutos para o México. Está no país uma missão de nove veterinários daquele país, para auditoria em 25 plantas frigoríficas com inspeção federal, segundo informações do Departamento de Inspeção de Produtos de Origem Animal......

    Voltar para Notícias (pt)