NOTÍCIAS

Postado em 19 de Fevereiro às 09h38

Chineses começam a usar inteligência artificial na produção de suínos

  • Mercoagro – Edição 2018 -

A gigante chinesa de tecnologia Alibaba anunciou uma parceria com as empresas Dekon
Group e Tequ Group para trazer a inteligência artificial para a pecuária suína. Segundo a agência chinesa Xinhua, o objetivo da parceria é "fortalecer" uma indústria que "há muito tempo vem sofrendo com baixa eficiência e altos custos de trabalho". 
Basicamente, as empresas pretendem implementar recursos de visão de máquina e internet
das coisas para ter um controle melhor sobre cada um dos animais de suas fazendas. O sistema deve ser capaz de criar um "perfil" de cada porco, informando seu peso, idade, quantidade de ração que vem comendo e quanto vem se movimentando.

Para isso, as fazendas usarão números tatuados nas costas dos porcos. Câmeras especializadas podem então ler esses números, identificar cada porco e rastrear seus

movimentos. Sensores de temperatura nas criações também ajudarão a monitorar a temperatura corporal de cada animal, detectando doenças e ajudando os criadores a saber quando aplicar vacinas. 
O sistema também rastreará porcas e seus filhotes depois que eles nascerem. Em alguns
casos, a mãe acaba "esmagando" alguns dos leitões - o sistema conseguirá detectar os gritos dos leitões e orientar os criadores a ajudá-lo. Esse sistema, por si só, deve reduzir em 3% a mortalidade de leitões segundo a BBC. Quando uma porca parar de ter filhotes, o sistema conseguirá identificar isso e sugerir aos fazendeiros que ela seja abatida. 
MERCADO ENORME
De acordo com o The Verge, essas tecnologias devem substituir as "tags" de RFID que alguns fazendeiros chineses já usam. As tags são confiáveis, mas são mais complicadas de se usar do que um sistema totalmente automático - especialmente em criações grandes, porque elas exigem que cada porco seja "escaneado" de maneira individual. 
Para o Zhang Sheng, o diretor do projeto na equipe de Cloud da Alibaba, um dos objetivos
é "reduzir os custos de criação e fazer uma reforma da agricultura". Mas, "por outro lado, nós queremos transformar tecnologia de inteligência artificial em carne de porco segura e saborosa", disse Sheng.

Fonte: Olhar Digital / Suinocultura Industrial

Veja também

Carne, gado vivo e material genético bovino e avícola na mira do Irã01/12/17 O Irã é o 5º maior parceiro comercial do agronegócio brasileiro. Em 2016, o Irã importou US$ 2,1 bilhões, principalmente milho, soja em grãos e carne bovina in natura. Agora há interesse de exportar para o Brasil ureia, frutas secas e amêndoas. Do outro lado da mesa, houve avanço no que se refere a procedimentos para exportação de carne......

Voltar para Notícias (pt)