NOTÍCIAS

Postado em 28 de Maio às 13h30

Circovirose Suína: investimento na prevenção evita prejuízos e gastos com medicamentos

  • Mercoagro – Edição 2018 -

Diagnosticada pela primeira vez no Brasil em 1999, a Circovirose Suína é uma enfermidade
comum nos plantéis brasileiros. A atenção do suinocultor deve ser grande nos leitões após o desmame, a partir da sexta semana de vida. Uma vez infectados, os animais apresentam retardo no crescimento, baixo ganho de peso, aumento dos linfonodos, dificuldades respiratórias, pele pálida e icterícia (amarelecimento da pele), muitas vezes levando à morte. “Investimentos na saúde e bem-estar do plantel trazem retorno econômico ao suinocultor. O correto manejo sanitário, realizado na propriedade, permite a produção de animais mais saudáveis para atingir melhores resultados produtivos, além de reduzir as chances de perdas para o produtor”, explica Alberto Inoue, gerente de marketing de Aves e Suínos da Boehringer Ingelheim Saúde Animal.
Os problemas causados pela Circovirose Suína devem-se à patogenia do Circovírus tipo 2
(PCV2), que ataca o sistema imunológico dos animais, comprometendo a capacidade de defesa contra outras doenças. A imunossupressão abre portas para infecção por agentes oportunistas, desta maneira, o produtor precisa gastar com outros medicamentos para controlar essas infecções secundárias. Atualmente, mesmo com soluções disponíveis no mercado, o impacto na qualidade e produtividade do plantel ainda é significativo. Isso porque o vírus é resistente e pode permanecer no ambiente, se a limpeza e a desinfecção não forem rigorosas, aumentando o risco de exposição à enfermidade em lotes subsequentes.
Além das medidas essenciais de biosseguridade e manejo, o suinocultor encontra no
mercado tecnologia de ponta para a prevenção da doença. Uma vez que a Circovirose Suína não tem cura, todo o esforço em medidas imunoprofiláticas é benéfico. Além do custo relacionado à mortalidade do plantel, temos perdas ainda maiores pela enfermidade subclínica que prejudicam o desempenho, já que os animais não atingirão todo o potencial de crescimento. O produtor deve ter sua atenção voltada para um correto e eficaz protocolo de vacinação, o qual garantirá o elevado status sanitário de sua granja, evitando custos adicionais com outras medicações”, ressalta Alberto Inoue.
A Boehringer Ingelheim Saúde Animal auxilia os suinocultores com soluções que contribuem não apenas para o crescimento dos seus planteis, como também para o desenvolvimento da suinocultura brasileira como um todo. Aliada ao combate do PCV2, Ingelvac®
Circoflex já imunizou mais de 2 bilhões de suínos ao redor do mundo. “Ingelvac® Circoflex
protege o plantel sem causar reação vacinal, garantindo segurança e bem-estar dos animais. Uma dose única no desmame protege contra desafios precoces e tardios”, completa Inoue.

Fonte: Suinocultura Industrial

Veja também

Mapa determina a frigoríficos nova forma de cortes para exportação de carne aos EUA05/07/17 Medida visa facilitar retomada do mercado norte-americano Memorando do Departamento de Inspeção de Produtos de Origem Animal (Dipoa) do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa) determinou a frigroríficos que carnes in natura de cortes dianteiros a serem exportadas aos Estados Unidos sigam apenas na forma de recortes, cubos, iscas ou tiras. A medida visa......
Clínica Tecnológica esclarecerá dúvidas de visitantes e expositores12/09/16 Um local que funcionará como consultoria técnica, como se fosse um laboratório onde serão tratados temas de ponta, incluindo conservação de alimentos, Food Defense, alta pressão, sanidade animal, análise......

Voltar para Notícias (pt)