NOTÍCIAS

Postado em 06 de Dezembro de 2017 às 17h30

CNA vê alta na produção de carne de aves em 2018; consumo em 44 kg/hab em 2017

  • Mercoagro – Edição 2018 -

A Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil (CNA), entidade que representa os
produtores rurais, estima que a produção nacional de carne de aves aumente entre 1% e 4% em
2018, para 13,38 milhões a 13,78 milhões de toneladas, segundo números apresentados na
terça-feira (05). 
Já as exportações do produto devem situar-se entre 4,04 milhões e 4,16 milhões de
toneladas no ano que vem.
A CNA estima que o consumo doméstico de carne de frango deva fechar 2017 em 44 kg
por habitante, com potencial de leve crescimento em 2018.
A entidade avalia que o setor avícola brasileiro foi afetado negativamente pelos efeitos da
Operação Carne Fraca da Polícia Federal, que reduziu a demanda internacional pelo produto
momentaneamente.
“A queda das exportações de março a junho comprometeu o crescimento da produção
nacional e da receita, que só não foi agravada devido à valorização do preço de venda das
carnes no mercado internacional”, informou a CNA via apresentação divulgada em seu website.
A entidade estima um crescimento de 1% na produção e no volume de exportações de
carne de frango em 2017.
Após um período de queda no preço do milho em 2017, principal insumo para nutrição de
aves e suínos, uma nova tendência de elevação de preços é esperada para o ano que vem,
como consequência dos impactos do fenômeno climático “La Niña” na produção de grãos, da
redução da área plantada prevista para o milho e das estimativas de aumento das exportações
deste grão.
“As cotações poderiam atingir patamares que comprometem a rentabilidade da atividade.
Logo, suinocultores e avicultores devem ficar atentos para realizarem boas aquisições do
insumo”, avalia a CNA.
A produção de carne suína em 2018 poderá ficar entre estável a registrar alta de até 4%,
na comparação com este ano, totalizando entre 3,72 milhões e 3,75 milhões de toneladas,
segundo os números da CNA.
As exportações do setor devem ficar entre 810 mil e 830 mil toneladas. O consumo per
capita de 14 kg esperado para 2017 deve manter-se no ano que vem.
Apesar dos efeitos negativos da Operação Carne Fraca nas exportações do setor de
carnes, a tendência de valorização do dólar em relação ao real pode colaborar para que as
carnes brasileiras ganhem competitividade nos mercados internacionais em 2018, o que daria
suporte para esses crescimentos de até 4% nos volumes de produção e exportações.
“O acesso a novos mercados, como o da Coreia do Sul para nossa carne suína, e a
retomada das exportações de frango para a Indonésia também contribuirão para as exportações
dos setores”, acrescentou a entidade.

Fonte:  Anna Flávia Rochas/Carnetec

Veja também

Santa Catarina segue com saldo positivo nas exportações de carnes07/12/17 Faturamento com as exportações de carne suína é 14,97% maior do que no último ano. De janeiro a novembro de 2017, o setor já arrecadou US$ 590 milhões. O mesmo acontece com as exportações de carne de frango, que acumulam US$ 1,67 bilhão de receita em 2017. Em onze meses, Santa Catarina embarcou 253,8 mil toneladas de carne suína para......
BRF e Carrefour se unem à IBM para reforçar a rastreabilidade de alimentos10/11/17 A fabricante de alimentos BRF e a varejista Carrefour estão implementando, em parceria com a IBM, uma tecnologia usada pela moeda virtual Bitcoin para impedir fraudes na produção e comercialização de alimentos. As......

Voltar para Notícias (pt)