NOTÍCIAS

Postado em 14 de Novembro às 13h25

Confiança do Agronegócio sobe 6,7 pontos no 3º trimestre, para 99,1 pontos

Mercado (32)Agroindústria (24)

O Índice de Confiança do Agronegócio (IC Agro), medido pelo Departamento do Agronegócio (Deagro) da Federação das Indústrias do Estado de São Paulo (Fiesp) e pela
Organização das Cooperativas Brasileiras (OCB), subiu 6,7 pontos no 3º trimestre deste ano em relação ao 2º trimestre, ficando em 99,1 pontos, indicando uma melhora significativa das expectativas, embora o entusiasmo ainda não tenha retornado aos níveis de 2016, quando no mesmo período registrou 106,3 pontos. De acordo com a metodologia do estudo, uma pontuação acima de 100 pontos corresponde a otimismo e abaixo disso indica baixo grau de confiança.
A recuperação do indicador foi percebida em todos os segmentos pesquisados. A indústria
antes da porteira (insumos agropecuários) somou 104,8 pontos, alta de 11 pontos ante o trimestre imediatamente anterior. "Algumas incertezas que pairavam sobre o setor ao longo do ano foram amenizadas. Até a pesquisa atual as vendas de defensivos e fertilizantes avançaram pouco, uma vez que muitos produtores mantiveram uma postura mais cautelosa, adiando as aquisições dos insumos, diante dos baixos preços das principais commodities agrícolas, como a soja e o milho. À medida em que o plantio da safra de verão se aproximou, porém, as negociações voltaram a ocorrer, o que justifica a melhora da percepção das indústrias de insumos", aponta Antonio Carlos Costa, gerente do Deagro da Fiesp. Para a indústria depois da porteira (como as de alimentos e tradings), houve avanço de 5,8 pontos, para 102,7 pontos, ante o último levantamento. O resultado mostra que essas empresas retornaram a um patamar de otimismo moderado, muito próximo ao registrado em 2016. "A análise do resultado mostra que, embora as condições do mercado brasileiro ainda não sejam ideais, a continuidade do processo de ajuste econômico segue inspirando confiança, lembrando que este setor é um dos mais diretamente beneficiados em um cenário de aceleração da recuperação do poder de compra do consumidor, como é esperado para 2018", avalia Costa.

Já para o produtor agropecuário, o avanço foi de 5,9 pontos em relação ao trimestre
anterior, para 93,2 pontos. Ainda que pelo terceiro levantamento consecutivo o indicador
permaneça abaixo dos 100 pontos, a recuperação não deixa de ser uma boa notícia. "Os
resultados mostram que a confiança aumentou mais entre os pecuaristas do que entre os
produtores agrícolas, depois de atingir o menor nível da série histórica", diz Márcio Lopes de Freitas, presidente da Organização das Cooperativas Brasileiras (OCB).
Em comum, o crédito foi um dos aspectos que contribuiu para melhorar os ânimos nos dois grupos. Segundo Márcio Freitas, "isso é consistente com um ritmo mais adequado de liberação dos recursos disponíveis para os produtores, que ocorre atualmente com mais facilidade do que na safra passada. Contribuiu também a resolução das pendências do crédito dirigido às cooperativas, a partir da publicação da Resolução nº 4.597, de 28 de agosto de 2017".
O avanço do indicador apresentou uma alta mais moderada para o produtor agrícola dentre todas as categorias pesquisadas, ao alcançar 92,9 pontos, aumento de 3,1 pontos. No trimestre, os ânimos melhoraram em outro aspecto relevante: os preços agrícolas de commodities importantes como a soja e o milho se recuperaram um pouco em relação ao 2º trimestre, com a abertura de algumas janelas de comercialização.
No entanto esse movimento foi ofuscado pelo menor entusiasmo em relação à produtividade. "Isso era previsto, já que não se espera que as lavouras de grãos repitam os
resultados recordes obtidos na safra passada", observa Freitas.
Por fim, os pecuaristas formam o grupo que mais ganhou confiança no trimestre. Seu
indicador subiu 14 pontos, chegando a 94,2 pontos. Depois de registrar no 2º trimestre o patamar mais baixo da série histórica (80,2 pontos), o indicador mostrou recuperação, embora esteja ainda abaixo dos 100 pontos.
"Vale destacar que no trimestre passado, os horizontes no mercado de carnes eram muito
incertos: o setor ainda sofria as consequências da Operação Carne Fraca e pairavam muitas dúvidas após a delação da JBS, em maio desse ano. A melhora nos preços do boi ajudou a
melhorar o ânimo dos pecuaristas", completa Costa, da Fiesp.

Fonte: O Presente RuralAssessoria FiespCiesp

Veja também

Minerva continua atenta a oportunidades para crescer na América do Sul06/03 A Minerva Foods continua atenta às oportunidades de expansão dos seus negócios na América do Sul para além dos países em que já possui unidades produtivas, disseram executivos da empresa na quarta-feira (22) durante teleconferência de resultados com analistas. “Parte da nossa estratégia é a diversificação geográfica,......

Voltar para Notícias (pt)