NOTÍCIAS

Postado em 26 de Julho de 2018 às 14h36

Detectados mais de 400 genes de resistência a antibióticos em fazendas europeias

  • Mercoagro – Edição 2018 -

A partir da análise de uma amostra de nove mil porcos e galinhas de nove fazendas na União Europeia, um grupo de pesquisa internacional na Universidad Complutense de Madrid (UCM) (Espanha) detectou a presença de 407 genes resistência a antibióticos, alguns presentes em todas as fazendas estudadas.
Para realizar este estudo, cujos resultados acabam de ser publicados na revista Nature Microbiologia, os cientistas percorreram vinte fazendas dos seguintes países: Bélgica, Bulgária, Alemanha, Dinamarca, Espanha, França, Itália, Países Baixos e Polónia para coleta de amostras e mais tarde, usando sequenciamento massivo para gerar mais de 5.000 gigabases em seqüências de DNA.
"Dado o tamanho do estudo, consideramos que os resultados podem representar o microbioma e resistoma em fazendas semelhantes em toda a Europa", afirma Bruno González Zorn, pesquisador da Faculdade de Medicina Veterinária e do Centro de Veterinária de Vigilância Sanitária (VISAVET) do UCM e autor do estudo.
Um novo estudo será utilizado para conhecer não apenas os genes de resistência a bactérias presentes, mas detectar a partir da sequencia completa do ADN presente no conteúdo intestinal.
"Isso nos permite conhecer os genes de resistência a antibióticos que poderiam ser potencialmente transmitidos, independentemente da bactéria em que se encontrem", explica González Zorn.
Outro resultado importante é a associação entre o uso de antibióticos e a prevalência dos genes de resistência, mostrando uma relação direta: cerca de 30% variações da utilização de antibióticos e redução de 50% na abundância de genes de resistência adiciona veterinário. O laboratório espanhol participa no consórcio europeu que realizou o estudo, o projeto EFFORT. "Atualmente, estamos liderando os aspectos relacionados à capacidade de transmissão desses genes de resistência a antibióticos. A maioria deles é encontrada e plataformas genéticas, chamadas plasmídeos, que permitem que esses genes passem de uma bactéria para outra. Sabendo da diversidade dos plasmídeos presentes na fazenda e sua semelhança com aqueles encontrados em humanos é a chave para determinar a capacidade de genes de resistência para a transmissão para fora da machamba outros ecossistemas UCM” detalha o pesquisador.
Das centenas de genes identificados, os cientistas observaram como eles estão distribuídos de forma diferente entre as duas espécies, embora 33 tenham sido detectados em todas as fazendas de suínos e 49 em todas as granjas. De todos estes, 24 eram comuns em ambos os animais.
Também é relevante a homogeneidade dos resultados obtidos em amostras de suínos onde na maioria deles foram encontrados genes de resistência a tetraciclinas, macrolídeos, beta-lactâmicos e aminoglicosídeos. Ao contrário, nas amostras de frango, os resultados obtidos foram muito heterogêneos, e também foram encontrados genes de resistência aos mesmos antibióticos, mas em quantidades muito diferentes entre as amostras analisadas.
"Tudo isso indica que o resistoma em porcos e aves de carne é substancialmente diferente.
Ou seja, o microbioma de porcos apresenta uma combinação de genes de diferentes resistências à combinação presente no microbioma de galinhas ", diz o especialista.
O volume de fazendas, países e amostras seqüenciadas fazer este resultado, de acordo com veterinário UCM, uma ferramenta para empresas e veterinários otimizar e reduzir o uso de antibióticos na luta contra um problema que pode ser executado em um futuro como a primeira causa de morte no mundo.
"Na Espanha, já conseguimos reduzir o uso de colistina na pecuária em 82%, e esses resultados indicam que estamos no caminho certo. A chave é basear medidas para controlar a resistência em evidências científicas sólidas, controlar e resolver o problema da resistência aos antibióticos do ponto de vista da saúde pública ", conclui González Zorn.

Fonte e foto: Suinocultura Industrial, traduzido de noticiasdelaciencia.com

Veja também

ABPA apoia estudos de consulta na OMC sobre dumping chinês13/07/18 A Associação Brasileira de Proteína Animal (ABPA) apoia a realização de estudos sobre eventuais consultas no âmbito da Organização Mundial do Comércio (OMC) para tratar da decisão do Ministério do Comércio da China (MOFCOM) pela aplicação de medidas de tarifas à carne de frango brasileira, como direito antidumping......
Empresas alimentícias criam Coalizão Global para o bem-estar animal09/08/18 Sete empresas multinacionais de alimentos uniram forças para criar a Coalizão Global para o Bem-Estar Animal (GCAW) para avançar os padrões na cadeia de abastecimento alimentar. Os sete incluem Unilever, Nestlé, Aramark,......

Voltar para Notícias (pt)