NOTÍCIAS

Postado em 06 de Dezembro de 2017 às 17h33

Exportações de carne bovina podem crescer mais de 10% diz Abrafrigo

  • Mercoagro – Edição 2018 -

Se manter o atual ritmo das exportações de carne bovina in natura e processada, o volume
total comercializado em 2017 poderá até ultrapassar o crescimento de 10% estimado para este
ano, segundo informou a Associação Brasileira de Frigoríficos (ABRAFRIGO), depois de compilar
os dados de novembro fornecidos pelo fornecidos pelo Ministério do Desenvolvimento, Indústria e
Comércio Exterior (MDIC), através da SECEX/DECEX. No mês passado as vendas atingiram a
141.950 toneladas contra 95.648 toneladas no mesmo mês de 2016, num crescimento de 48%.
Em receita, o crescimento foi de 45%, passando de US$ 409,5 milhões para US$ 593 milhões em
2017.
Com este resultado, segundo a ABRAFRIGO, o acumulado do ano já alcança a 1.351.103
toneladas enquanto que este número em 2016 era de 1.241.55 toneladas, ou seja: em volume as
exportações já apresentam crescimento 9%. Na receita, o crescimento foi mais significativo, de
13%, passando de US$ 4,901 bilhões em 2016 para US$ 5,521 bilhões até novembro em 2017.
O mercado chinês é o grande responsável pela recuperação nas vendas de carne bovina
em 2017.  Importações pela cidade estado de Hong Kong e pelo continente alcançaram a 412.750
toneladas no mesmo período de 2016, com uma participação de 33,3% no total da
comercialização brasileira. Em 2017 as compras chinesas saltaram para 509.726 toneladas até
aqui, elevando a participação para 37,8% do total exportado pelo Brasil.
Entre os 20 maiores compradores do produto brasileiro, além da China, se destacaram a
Arábia Saudita e o Irã, elevando suas aquisições em 53,9% e 42,4% respectivamente. As compras
da Rússia cresceram 16,1%, e a dos Estados Unidos 19,5%. Já Emirados Árabes (+ 16,2%);
Israel (+22,7%) e Cingapura (+15,8%), também ampliaram sua movimentação. São Paulo foi o
estado que mais exportou carne bovina, com 21,8% do total até novembro; Mato Grosso ficou na
segunda posição, com 19,8%, enquanto que Goiás manteve a terceira posição com 13,1%. No
quarto lugar está Rondônia, com 10,3%; Minas Gerais na quinta posição com 10%, enquanto que
o Mato Grosso do Sul ficou em sexto com 9,3%.

Fonte: Abrafrigo

Veja também

SC apresenta a outros Estados um reforço no plano de emergência avícola24/10/17 Santa Catarina desfruta da melhor condição sanitária do Planeta, livre das doenças que afetam centenas de países e comprometem a saúde animal de várias espécies. O preço desse status é a eterna vigilância, por isso, agroindústrias, governo e produtores rurais atuam em conjunto para evitar e controlar qualquer ocorrência......
Carne suína brasileira deverá ter outro ano positivo em 2016, diz Rabobank11/02/16O setor de carne suína brasileiro deverá ter um desempenho positivo em 2016, beneficiado pela desvalorização do real ante o dólar favorecendo a competitividade “Preços de grãos em real (moeda brasileira) deverão subir como resultado do impacto do fortalecimento do dólar durante 2016”, avaliam os analistas. “No entanto, o bom cenário para as......

Voltar para Notícias (pt)