NOTÍCIAS

Postado em 23 de Agosto às 11h38

Gestão de custo é foco de pecuarista, diz pesquisa

  • Mercoagro – Edição 2018 -

Uma pesquisa realizada com 1.630 entrevistados em 542 municípios diferentes de todos os
Estados do Brasil mostra que a maior preocupação do pecuarista brasileiro é em relação a sua gestão de custos. Cerca de 70% dos participantes da enquete identificaram-se como produtores rurais.
O estudo já é considerado um dos maiores do setor pecuário e foi executado por meio de
parceria entre a Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (Embrapa), a Universidade Federal do Pampa (Unipampa) e o Núcleo de Estudos em Sistemas de Produção de Bovinos de Corte e Cadeia Produtiva da Universidade Federal do Rio Grande do Sul (Nespro/Ufrgs).
Mais da metade dos entrevistados entre os meses de abril e maio apontaram a questão da
gestão de custos como extremamente prioritária. Além desse outros itens também foram
destacados, entre eles o controle de ectoparasitas, com índice de 37,8%; técnicas de manejo de pastagens cultivadas e nativas, com 43,1%; qualidade e segurança da carne, com 43,2%; seleção animal baseada em índices econômicos, com índice correspondente a 30%; além do primeiro da lista, custos de produção, com índice de 57,6%.
O questionário englobou 39 perguntas em cinco diferentes áreas do conhecimento: saúde e bem-estar animal; nutrição animal e forrageiras; melhoramento animal; ciência e tecnologia da carne; e gestão e sistemas de produção.
“Com esse resultado, o pecuarista demonstra que quer compreender melhor como funciona o seu negócio, o registro de receitas e despesas da propriedade, assim como os indicadores de eficiência econômica, de forma que o ajude a organizar melhor e gerir o estabelecimento rural, obtendo, assim, mais lucratividade de sua atividade”, interpreta o pesquisador da Embrapa Pecuária Sul, Vinícius Lampert.
Os participantes da pesquisa também pontuam sobre o trabalho. O pecuarista de Bagé (RS), Ricardo Zuliani, que participou da enquete, afirma que esse tipo de levantamento é fundamental para aproximar a pesquisa do produtor rural: “O trabalho da Embrapa na produção de tecnologias que aumentem produtividade e renda do setor é sempre necessário e precisa evoluir constantemente, pois as mudanças são rápidas e as necessidades dos produtores são muitas.
Espero que realmente aconteçam na prática pesquisas guiadas por esse questionário”.
Entre os participantes, também estiveram profissionais ligados ao setor, como o engenheiro agrônomo Mateus Arantes, de São Paulo (SP), que também ressalta a importância da pesquisa para melhor compreensão da pecuária: “Tudo que venha a contribuir para conhecermos melhor o setor, ver as dificuldades, em que área é possível ajudar, é válido. Tem muita coisa que dá para descobrir para o setor a partir desse tipo de levantamento, para depois focar na pesquisa ou mesmo em estratégias de governo”.
Acadêmicos como o professor em planejamento agropecuário e administração rural da
Universidade Federal do Piauí (UFPI), Paulo Rodrigo Pereira, também estiveram entre os
entrevistados. “A iniciativa da pesquisa é muito importante, pois busca identificar com os stakeholders como eles percebem a cadeia produtiva, seus problemas, gargalos e entraves, a fim de oferecer informações que permitam a essa cadeia ajustar sua filosofia de trabalho e suas políticas macroambientais”, analisa.
CONTINUIDADE
O estudo, no entanto, ainda não chegou ao fim. A primeira análise da pesquisa aconteceu
com as informações coletadas de 5 de abril a 31 de maio de 2018, mas a enquete segue aberta ao público e uma segunda avaliação dos números vai ser realizada no fim deste ano.
Já a partir de 2019, a pesquisa continuará com o objetivo de levantar um número maior de
repostas. A partir da análise dos dados, o trabalho busca subsidiar o direcionamento de
estratégias de pesquisa, transferência de tecnologia e divulgação de informações para os públicos de interesse. Além disso o estudo também visa identificar prioridades específicas de cada região, de modo a contribuir para a definição de políticas públicas para a pecuária de corte, considerando as diferenças regionais.
“Com essa atualização e conhecimento dos principais problemas do setor vai ser possível
qualificar a definição de estratégias de pesquisa e comunicação e, como consequência, favorecer a melhoria da competitividade da pecuária de corte brasileira”, completa Lampert.
Um ponto ressaltado é que, paralelamente à identificação das demandas, estão sendo
levantadas as soluções tecnológicas existentes e que estão disponíveis para uso pelo setor
produtivo. Depois, pretende-se cruzar essas demandas com as soluções tecnológicas já
existentes, sendo possível, assim, identificar quais inovações prioritárias devem ser
desenvolvidas.
SOLUÇÕES
A partir desta extensa pesquisa muitos estudiosos poderão embasar outras teses com os
dados recolhidos. Até o momento, 319 soluções tecnológicas produzidas por 22 Unidades da Embrapa e seus parceiros nas diversas áreas da bovinocultura de corte já estão organizadas.
“Tais produtos, processos, serviços, metodologias, práticas agropecuárias e sistemas serão
comparados com as demandas levantadas na pesquisa. Nos casos em que a solicitação estiver contemplada por tecnologias desenvolvidas, o esforço será direcionado às ações de transferência de tecnologia. Nas situações em que ainda há carência, novos projetos de pesquisa e desenvolvimento estarão em discussão”, revela o pesquisador em transferência de tecnologia da Embrapa Gado de Corte (MS) Paulo Henrique Nogueira Biscola.
O estudo, segundo o professor da UFRGS e coordenador do NESPro, Júlio Barcellos, é
fundamental para orientar o campo de pesquisas e dar respostas assertivas para o setor rural e a sociedade, de forma a otimizar recursos e ser eficiente no desenvolvimento de tecnologias.
“Interpretar adequadamente essas informações é um ponto de partida para que a pesquisa
agropecuária esteja sempre alinhada com a necessidade de melhorar as respostas de natureza científica e tecnológica”, destaca. 
A professora da Unipampa, Fernanda Garbin, também pontua a efetividade da pesquisa no
campo social. “Nesse projeto, reconhecemos a importância da pecuária para nossa economia e esperamos, dessa forma, contribuir para o desenvolvimento econômico e social”, declara.

Fonte: Embrapa, adaptado pela equipe feed&food
Foto: Reprodução

Veja também

RM exibirá máquinas para frigoríficos de aves, peixes e suínos06/05/16 No mercado desde 1987, a RM Indústria de Máquinas Frigoríficas iniciou as atividades em Chapecó (SC), trabalhando no processo de terceirização de serviços indiretos para agroindústrias. Depois de cinco anos de atuação, ingressou também no setor de fabricação de máquinas e equipamentos para a indústria......
Carne bovina in natura mais perto dos EUA25/02/16 A liberação das exportações brasileiras de carne bovina in natura aos EUA deverá ocorrer a partir de abril, após a visita de uma equipe do Ministério da Agricultura do Brasil àquele país para......
Santa Catarina continua na liderança no abate de suínos no país27/06/16 Entre os estados brasileiros, Santa Catarina continua liderando o abate de suínos no primeiro trimestre do ano. O crescimento em relação a 2015 foi de 6,6% e houve aumento de 74,5% no volume exportado, mantendo-se como principal......

Voltar para Notícias (pt)