NOTÍCIAS

Postado em 23 de Abril de 2018 às 13h18

Mapa vai normatizar destino de carcaças de aves e suínos mortos por causas naturais

  • Mercoagro – Edição 2018 -

O Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa) publicou na quinta-feira (19)
a portaria 37, que abre prazo de 30 dias para consulta pública relacionada à elaboração de
normas destinadas ao recolhimento, transporte, armazenagem, manuseio, transformação e
eliminação de animais de produção mortos por causas naturais – não abatidos – nas
propriedades. Não estão incluídos os animais mortos em virtude de emergências sanitárias.
Segundo o Mapa, estão sujeitos a controle todos os estabelecimentos rurais, registrados
no Serviço de Inspeção Federal (SIF), criadores de suínos e aves de produção, transportadores, unidades de transformação e de eliminação de animais de produção mortos por causas naturais (acidentais/catastróficas, ou por causas usuais ou rotineiras, excluindo-se as doenças respiratórias e as causadas por bactérias ou protozoários).
As normas objetivam prevenir e minimizar os riscos de resíduos afetarem a saúde pública e animal, o meio ambiente, além de possibilitar uma destinação sustentável e com segurança sanitária a essas carcaças. Está previsto que a normatização será atualizada a cada cinco anos. O transporte dos resíduos será controlado por meio do Documento de Trânsito de Animais Mortos (DTAM).
Estimativas dão conta de que mais de 550 mil toneladas de aves e suínos morrem nas
propriedades por conta de problemas de manejo, desastres e doenças, segundo o ministério. Conforme a proposta de normatização, além da destinação das carcaças para as indústrias de graxaria para a produção de farinha e produtos gordurosos, também poderá ser feita a compostagem ou a incineração.

Fonte: Carnetec

Veja também

Status sanitário diferenciado fez de SC o maior exportador de carne suína do país30/05/17 O status sanitário diferenciado de Santa Catarina teve impactos diretos e indiretos no aumento das exportações de carne suína e de aves. Após ser reconhecido como zona livre de febre aftosa sem vacinação pela Organização Mundial de Saúde Animal (OIE), em 2007, o Estado se tornou o maior exportador de carne suína e o segundo maior exportador......
Paraná triplica receita com exportação de carne bovina24/02/16 O fim do embargo do Irã à carne bovina do Estado, a abertura de novos mercados e o dólar favorável fizeram as exportações mais que triplicarem em janeiro. De acordo com a Secretaria de Comércio Exterior......

Voltar para Notícias (pt)