NOTÍCIAS

Postado em 01 de Junho às 14h17

Novas estratégias para combater doenças de produção

  • Mercoagro – Edição 2018 -

A intensificação da agricultura aumenta o risco e a suscetibilidade das aves a contrair doenças de produção, tornando as práticas de criação de animais menos eficientes e resultando em perdas financeiras.
Estima-se que essas doenças reduzam a eficiência dos sistemas avícolas entre 10% e 15% e a evolução das doenças relacionadas à produção está desafiando as opções existentes para preveni-las e controlá-las.
O Professor Ilias Kyriazakis, coordenador do projecto PROHEALTH (Sustainable intensive pig e poultry production), acredita que são necessárias novas ferramentas e soluções inovadoras.

ESTRATÉGIAS DE CONTROLE

O projeto PROHEALTH está tentando desenvolver estratégias eficazes de controle para reduzir o impacto negativo nas condições de saúde e bem-estar animal. Agora em seu quinto e último ano, o projeto fez uma série de descobertas importantes, incluindo a determinação do escore de biossegurança e fatores de risco para doenças de produção em fazendas de suínos, frangos e perus em toda a União Europeia.
Os parceiros do projeto identificaram os fatores genéticos e ambientais envolvidos na sobrevivência neonatal que exercem influências de longo prazo na saúde de suínos e aves.
Eles identificaram as doenças de produção mais comuns na produção de matrizes de corte e descobriram que as infecções por Escherichia coli foram a forma mais comum de mortalidade.

As sapatilhas foram apresentadas como possíveis portas de entrada para bactérias Gram
positivas, resultando em aumento da mortalidade e problemas de saúde. Utilizando sensores inovadores de monitoramento ambiental, os pesquisadores quantificaram a contribuição do ambiente agrícola para a expressão de doenças respiratórias em porcos, desenvolvendo novos painéis de biomarcadores genéticos que poderiam diagnosticar doenças de produção em suínos e aves.

RESULTADOS DA PESQUISA
O projeto, que é baseado na Universidade de Newcastle, no Reino Unido, e envolve 22
parceiros, também publicou recentemente resultados de uma pesquisa pública europeia sobre sistemas intensivos de produção animal e doenças de produção.
Eles realizaram uma pesquisa em cinco países europeus (Finlândia, Alemanha, Polônia, Espanha e Reino Unido) e descobriram:
O público tem pouco conhecimento de práticas agrícolas modernas, com a maioria dos entrevistados inseguros ou discordantes de que adquiriram alimentos de sistemas intensivos de produção animal.
A maioria das preocupações levantadas era sobre se os padrões de bem-estar estavam sendo alcançados em sistemas intensivos, se o uso de antibióticos levando à resistência, resíduos de antibióticos e segurança alimentar e, em particular, o uso profilático de antibióticos, embora isso seja proibido dentro da UE.
As intervenções mais preferidas para melhorar o bem-estar envolveram mudanças no projeto de moradias, maior higiene, redução da densidade de estocagem e fornecimento de materiais de enriquecimento ao invés de uso de medicamentos, vacinação, seleção genética e suplementos alimentares. Não fazer nada estava constantemente no final da lista.
A PROHEALTH está atualmente reunindo os resultados de seu trabalho de cinco anos e
elaborando recomendações sobre as formas mais viáveis de controlar doenças de produção que agreguem valor, sejam socialmente aceitáveis e tenham um verdadeiro impacto na saúde animal.
"Os resultados ajudarão as partes interessadas a fazer escolhas fundamentadas sobre a
melhor forma de controlar as doenças de produção", disse o Prof. Kyriazakis.
“Em última análise, o PROHEALTH permitirá a produção de produtos de melhor qualidade,
de maneira que o bem-estar seja benéfico, ao mesmo tempo em que melhora a competitividade e a sustentabilidade da criação moderna de suínos e aves na Europa”, acrescentou.

Fonte: Poultry World / traduzido por redação AI

Veja também

Porque uma boa fazenda de suínos não pode ficar sem tecnologia24/07 A escassez de mão de obra é um dos principais problemas na produção suína moderna. No entanto, mudar para a tecnologia para economizar mão de obra parece um passo gigantesco, diz Casey Bradley, especialista em tecnologia de alimentação de suínos. Ela tem pelo menos três boas razões para considerar mais aplicações......

Voltar para Notícias (pt)