NOTÍCIAS

Postado em 23 de Novembro de 2017 às 13h32

Projeto que regulamenta destinação de carcaças de animais é aprovado

  • Mercoagro – Edição 2018 -

A Comissão de Constituição e Justiça e Cidadania (CCJC) da Câmara dos Deputados
aprovou nesta terça-feira (21/11), o projeto de lei (PL) 5851/2016 que trata do aproveitamento de
carcaças de animais de produção e seus resíduos no campo, para fins não comestíveis. Agora, o
PL segue para o Senado.
O projeto de lei, de autoria do deputado Valdir Colatto, cria regras para o recolhimento de
animais mortos, com exceção daqueles que vieram a óbito por doenças que possam comprometer
a sanidade do procedimento. O texto apresenta um regramento para recolhimento, transporte,
estocagem e processamento.
Em nota oficial, o deputado afirmou entender que o recolhimento de animais mortos irá
amenizar os impactos econômicos e ambientais para toda sociedade. O edil enfatizou que o
projeto beneficia sobremaneira os agricultores que terão uma forma de destinar as carcaças com
segurança, liberando ainda as prefeituras de uma demanda grande no dia a dia.
Com a aprovação do PL apresenta-se um sistema de reciclagem que transforma as
carcaças em novos produtos. Depois de sancionada a lei, os resíduos dos animais poderão ser
reciclados e utilizados na produção de adubos, biodiesel, produtos de higiene e limpeza, disse em
nota.
Fonte: Suinocultura Industrial

Veja também

Nove frigoríficos de MS exportarão carne para Arábia Saudita até o fim de fevereiro17/02/16 Unidades de nove cidades vão exportar para o país árabe Nove frigoríficos de Mato Grosso do Sul foram habilitados e deverão exportar carne até o fim de fevereiro para a Arábia Saudita. As unidades do estado integram uma lista de 49 frigoríficos que vão exportar para o Oriente Médio. Segundo a Autoridade Saudita de Alimentos e......
SC registra faturamento 14,97% maior na exportação de carne suína13/12/17 Em onze meses, Santa Catarina embarcou 253,8 mil toneladas de carne suína para países como Rússia, Hong Kong, China, Chile e Cingapura. E, mesmo com uma quantidade 0,24% menor do que no mesmo período de 2016, o setor não......

Voltar para Notícias (pt)