NOTÍCIAS

Postado em 18 de Maio às 11h06

Quatro frigoríficos catarinenses podem exportar carne suína para Coreia do Sul

  • Mercoagro – Edição 2018 -

Santa Catarina é o primeiro e único estado do Brasil habilitado a exportar carne suína para
Coreia do Sul. Os investimentos maciços em defesa agropecuária fazem do estado uma ilha de sanidade no país, abrindo as portas dos mercados mais exigentes do mundo para os produtos catarinenses. Inicialmente, quatro plantas estão autorizadas a vender o produto: Aurora Alimentos, Pamplona Alimentos, BRF de Campos Novos e JBS de Seara. A expectativa do setor é de que o estado exporte 30 mil toneladas de carne suína por ano.
O governador Eduardo Pinho Moreira comemorou a conquista, destacando que a abertura
do mercado sul-coreano pode representar um grande ganho para a suinocultura catarinense. A Coreia do Sul é o quarto maior importador de carne suína do mundo, sendo que apenas no ano de 2017 foram adquiridas 600 mil toneladas do produto, mais do que o dobro do total exportado por Santa Catarina no mesmo ano. “Finalmente vamos colher os resultados de todo o esforço empregado na busca pela excelência sanitária de nossos rebanhos. Além de representar o crescimento econômico para o estado, consolida a força do agronegócio catarinense”, destaca Moreira.
Eduardo Moreira ressalta também a importância fundamental do trabalho conjunto entre o
governo do estado, produtores e entidades privadas, na abertura do mercado sul-coreano, um dos países mais restritivos do mundo. O acesso exclusivo dos frigoríficos catarinenses deve-se ao fato de que o país só compra carne suína de países ou regiões livres de febre aftosa sem vacinação, reconhecidos pela Organização Mundial de Saúde Animal (OIE). “Santa Catarina é o único estado do país a cumprir esse requisito, por isso, é importante reconhecer e continuar essa feliz parceria com a cadeia produtiva”.
Segundo o secretário de Estado da Agricultura e da Pesca, Airton Spies, as perspectivas de
negócios são muito boas e podem trazer um aumento na produção e na renda dos produtores e agroindústrias catarinenses. “O grande desafio será fechar negócios com lucratividade, já que a Coreia do Sul impõe uma taxa de 25% nas importações. Agora está na mão do mercado, pois todas as etapas de regulamentação governamental já foram vencidas”, ressalta.
As negociações para exportar carne suína para a Coreia do Sul acontecem há mais de dez
anos e o status sanitário diferenciado de Santa Catarina teve um papel fundamental nesse
processo. Airton Spies destaca que as exportações para esses mercados mais competitivos, como Japão e Coreia do Sul, demonstram a qualidade dos produtos catarinenses e mostram que o status sanitário diferenciado traz resultados efetivos para a economia do estado.
SUINOCULTURA EM SC
Santa Catarina é o maior produtor e exportador de carne suína do Brasil. E o único estado
brasileiro livre de febre aftosa sem vacinação e também livre de peste suína clássica, com
certificados da Organização Mundial de Saúde Animal (OIE).
São cerca de 13 mil criadores integrados às agroindústrias e independentes, que produziram 980 mil toneladas de carne suína em 2017 – 28,2% dessa produção foi destinada ao mercado externo. No último ano, Santa Catarina respondeu por 40% das exportações brasileiras de carne suína, gerando uma receita de US$ 369,2 milhões. A carne suína catarinense chega a mais de 50 países e os principais compradores são: China, Hong Kong, Chile e Argentina.

Fonte: Secretaria de Estado da Agricultura e da Pesca de SC

Veja também

ACCS prepara série de vídeos com receitas à base de carne suína de 25 países08/05 Uma série de vídeos com receitas populares em todo o mundo está sendo divulgada pela Associação Catarinense de Criadores de Suínos (ACCS, Concórdia/SC) como forma de divulgar as usualidades da carne suína. O projeto desenvolvido pela instituição foi intitulado de “Carne Suína e os Sabores Pelo Mundo”. O material......
Com vendas externas, setor de carnes celebra ano surpreendente09/11/16 O ano termina melhor do que se previa para o setor de proteínas. Isso graças ao mercado externo, "que está sendo surpreendente", diz Francisco Turra, presidente-executivo da ABPA (Associação Brasileira de......
Zimbábue abre mercado para genética avícola do Brasil08/02 O Zimbábue aceitou a proposta de Certificado Sanitário Internacional proposto pelo Brasil, e é o mais novo mercado aberto para o setor de genética nacional.  A informação foi repassada nessa quarta-feira (07)......

Voltar para Notícias (pt)