NOTÍCIAS

Postado em 17 de Fevereiro de 2016 às 14h28

Receita com complexo carnes apresenta expansão

Foi observado em janeiro passado crescimento de 14,3% no faturamento, US$ 57,3 milhões, e de 27,6% no volume exportado, 28,3 mil toneladas

No grupo das carnes, que representa 12,6% das exportações do agronegócio mineiro, foi observado em janeiro passado crescimento de 14,3% no faturamento, US$ 57,3 milhões, e de 27,6% no volume exportado, 28,3 mil toneladas. O destaque foi a carne bovina, que encerrou o mês com o faturamento 44,3% superior e somando US$ 28,5 milhões. Ao todo, foram exportadas 7,3 mil toneladas, aumento de 60%. A demanda pela carne de peru também foi alavancada.

Os dados da Secretaria de Estado da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Seapa) mostram que foram exportadas 1,4 mil toneladas, aumento de 61%. O faturamento, US$ 3,45 milhões, cresceu 81,9%. Apesar do aumento no volume, o faturamento gerado pelos embarques de carne suína e de frango ficou menor. As exportações de carne de frango movimentaram US$ 22,2 milhões, queda de 8,6%. O volume, 17,7 mil toneladas, ficou 16,6% maior. O impacto negativo se deve ao valor da tonelada, que caiu de US$ 1.598 para US$ 1.253, em janeiro de 2016, retração de 21,58%. No caso da carne suína, a retração de 40% no preço da tonelada, US$ 1.631, fez com que o faturamento caísse 29%, encerrando o período em US$ 2,18 milhões.

O volume cresceu 18,5%, com a exportação de 1,3 mil toneladas. Soja ¬ O período de entressafra fez com que os resultados do complexo soja ficassem negativos. Em janeiro foi observada queda de 51,85% no faturamento, US$ 5,3 milhões, e de 74,5% em volume, 6,1 mil toneladas. “No momento a soja está em desenvolvimento no campo, por isso os estoques estão baixos e as exportações em queda. A partir de março, com o início da colheita, a expectativa é de retomada das exportações, principalmente, voltadas para a China”. explica a coordenadora da assessoria técnica da Federação da Agricultura e Pecuária do Estado de Minas Gerais (Faemg), Aline Veloso. Ao contrário da soja, as exportações de milho estão em alta.

O faturamento cresceu 1.325% e alcançou US$ 11,6 milhões. O volume ficou 1.445% maior, somando 66,5 mil toneladas. Com a demanda mundial aquecida e o produto mais competitivo em função da desvalorização do real frente ao dólar a tendência é que os embarques continuem em alta. Com o dólar elevado, as exportações de produtos lácteos também ficaram maiores. No período, foram embarcadas 1,16 mil toneladas, aumento de 145%. O faturamento chegou a US$ 4,8 milhões, alta de 170,8%.

Fonte: Frigonews com informações do Diário do Comércio

Veja também

Soluções em movimentação de produtos serão apresentadas pela COBRA Correntes25/05/18 A COBRA Esteiras Transportadoras é fabricante nacional de esteiras modulares plásticas, correntes transportadoras inox e componentes para transportadores industriais, dispondo de esteiras para zona molhada e seca. Nasceu em 1986, em Caxias do Sul, no Rio Grande do Sul, para suprir um segmento de mercado que até então era atendido exclusivamente por empresas sediadas no exterior. A......
Mercoagro 2018 Detecção de metais em carnes e raio-x11/09/18 Máquinas com tecnologia inglesa para detecção de metais e raio-x em alimentos cárneos constituem uma grande inovação tecnológica e são apresentadas nesta semana em Chapecó na Mercoagro (Feira......

Voltar para Notícias (pt)