PRENSA

Postado em 16 de Outubro de 2015 às 10h38

Faesc destaca esforço na abertura de novos mercados para o agronegócio

Mercoagro – Edição 2018 A Federação da Agricultura e Pecuária do Estado de Santa Catarina (Faesc) elogiou a ação de defesa do setor primário e de abertura de mercados para a agropecuária...

A Federação da Agricultura e Pecuária do Estado de Santa Catarina (Faesc) elogiou a ação de defesa do setor primário e de abertura de mercados para a agropecuária catarinense que a ministra Kátia Abreu, da Agricultura, vem desenvolvendo desde que assumiu a pasta.

O presidente da Faesc José Zeferino Pedrozo destacou, entre outras ações, o mapeamento dos riscos à agropecuária, diagnóstico que permite identificar carências e oportunidades com objetivo de contribuir para o aperfeiçoamento de programas e políticas públicas. O mapeamento foi desenvolvido pelo MAPA em parceria com a Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (Embrapa) e o Banco Mundial. O trabalho envolveu cerca de 5 mil representantes da agropecuária, entre os quais mais de 100 especialistas.

O dirigente mencionou que, de acordo com o estudo, o País tem prejuízo anual de cerca de 11 bilhões de reais devido à ocorrência de riscos extremos. Esse valor, porém, pode ser reduzido com a adoção de medidas para enfrentar situações críticas.

Esse trabalho focalizou as áreas de produção, mercado e ambiente de negócios e seus respectivos impactos econômicos “dentro da porteira”. Esses três eixos foram subdivididos em oito tópicos temáticos: eventos climáticos extremos e incêndios; sanidade animal; sanidade vegetal; gestão da produção e dos recursos naturais; crédito e comercialização; comércio internacional; logística e infraestrutura; e grupos de interesse, marco regulatório, políticas e instituições.

O estudo – que teve o apoio da Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil (CNA) e outras instituições – é importante porque o Brasil é um dos principais produtores mundiais de alimentos e precisa gerir melhor as situações de riscos extremos o que resultará na elaboração de um plano nacional de gestão de riscos agropecuários.

NOVOS MERCADOS
Outra ação do MAPA destacado por Pedrozo é a negociação com 14 mercados internacionais para ampliar as exportações do agronegócio brasileiro. No conjunto, esses mercados tem capacidade de 1 bilhão 195 milhões de dólares ao ano. Entre esses mercados está a China que, pela primeira vez, abrirá seu mercado aos produtos lácteos brasileiros.

“Abrir mercados é papel do Governo, fechar efetivamente negócio é papel das empresas”, assinalou, lembrando que a cooperação entre setores público e privado é essencial para o avanço do Brasil no mercado mundial.

Entre as negociações está a venda de carne bovina termoprocessada ao Japão. O produto foi objeto de negociação durante a visita oficial da ministra Kátia Abreu a Tóquio, em julho, e representa potencial de US$ 18,7 milhões ao ano.

O Brasil ainda tem potencial para exportar carne bovina in natura para o Canadá (US$190 mi) e para o México (US$ 165 mi), carne suína à Coreia do Sul (US$ 107 mi) e de carne bovina in natura à Arábia Saudita (US$ 73 milhões ao ano).

Veja também

Cooperação e agronegócio: a saída está aqui03/11/15 Por: Mário Lanznaster (Presidente da Cooperativa Central Aurora Alimentos) É comum ouvir-se expressões do tipo “as cooperativas não pagam impostos e, por isso, têm facilidade em crescer”. Nada mais falso: as cooperativas pagam os mesmo tributos das empresas comerciais (com exceção das operações internas), tanto que, em 2014, as 253......
Sistema de credenciamento aproximará expositores e visitantes da Mercoagro 201616/12/15 A comissão responsável pelo sistema de credenciamento da Mercoagro 2016, coordenada pelo empresário Mauricio Zolet, trabalha em ritmo acelerado para deixar tudo preparado para entrar no ar na segunda quinzena de janeiro. Fazem parte da......

Voltar para Prensa (es)